• -

Equipe cardiovascular fala de TEV

Category : Saúde

As constantes qualificações refletem em um atendimento mais eficaz para os pacientes.


O corpo clínico e colaboradores do Hospital SMH – Beneficência Portuguesa de Petrópolis se reuniram em maio para uma nova atualização sobre o protocolo em casos de tromboembolismo venoso (TEV).

O evento faz parte do calendário acadêmico do Hospital SMH e o diretor executivo, Fernanda Baena, explica que as constantes qualificações refletem em um atendimento mais eficaz para os pacientes.

“Preferimos sempre a prevenção, mas também nos preocupamos em estar totalmente preparados para realizar o atendimento a todos os casos que chegam até nós com absoluta segurança e melhores soluções. Nosso compromisso é oferecer o que há de mais atualizado e resolutivo na prestação de serviços”, afirma Fernando Baena.

O cirurgião vascular Tiago Coutas, membro da equipe do setor cardiovascular do hospital, e um dos organizadores e palestrantes do encontro, lembra a importância do tema e destaca que o TEV está entre as doenças que mais matam no mundo.

“Com o avanço do arsenal terapêutico para tratarmos os pacientes com TEV , é imprescindível atualização constantes e protocolos baseados em evidências médicas . Com ampla adesão do corpo clínico e aplicação dos protocolos apresentados pelo serviço de cirurgia vascular, objetiva-se uma padronização na prevenção e tratamento dos pacientes com TEV”, disse o cirurgião.


  • -

Público adere ao movimento ‘Todos pela saúde’

Category : Saúde

Cerca de 500 pessoas fizeram teste de glicemia, aferição de pressão arterial e IMC. 


O vai e vem durou o dia todo no evento “Todos pela saúde”, realizado no início do mês de abril de 2019 no prédio do Incope, no Hospital SMH – Beneficência Portuguesa de Petrópolis para marcar o Dia Mundial da Saúde. 

A sala onde aconteceram as palestras ficaram cheias de pessoas que receberam orientação sobre a prevenção e o tratamento de doenças, como hipertensão, diabetes e HPV. 

Teve ainda teste de glicemia, aferição de pressão arterial e cálculo do Índice de Massa Corpórea (IMC). Cerca de 500 pessoas realizam asa checagens. 

Rita de Cássia Oliveira, de 64 anos, foi com a amiga verificar se a saúde estava em dia e saiu satisfeita com as novas informações que recebeu. 

“Foi ótimo porque ela [enfermeira] me explicou que os níveis da glicose são diferentes no exame quando a pessoa está em jejum e quando se alimentou recentemente. São detalhes importantes e que podem causar preocupação à toa. Agora estou tranquila porque sei que minha taxa está normal”, revelou Rita de Cássia. 

Carlos Alberto Silveira Matoso, 63 anos, descobriu há pouco tempo que tem diabetes e hipertensão. Ele queria se certificar de que a glicose e a pressão arterial estavam normais. 

“Deu tudo certo. Recebi orientações importantes da nutricionista sobre alimentação. Vão me ajudar ainda mais a manter os cuidados com a saúde”, disse ele, acrescentando que todos deveriam aproveitar a oportunidade para fazer um check-up básico.

A ação promovida pelo Hospital SMH – Beneficência Portuguesa de Petrópolis em parceria com o Rotary Cidade Imperial e o Rotary Petrópolis, teve o apoio do Senac. 

“Para nós, integrantes dos Rotarys, participar de eventos voltados para o bem-estar e a saúde é muito natural. Faz parte do nosso trabalho e da nossa missão como rotarianos”, afirmou Daniella Vita, presidente do Rotary Petrópolis, junto com Fátima Montesso, presidente do Rotary Cidade Imperial. 

“Gestos simples, como oferecer informação ao público, podem reduzir a incidência de doenças graves. Por isso, o Hospital e os Rotarys organizaram a campanha contra doenças que afetam diretamente a qualidade de vida do paciente e têm altos índices de mortalidade”, finalizou o cirurgião José Loureiro, da direção do SMH.


  • -

Hospital SMH promove evento gratuito ‘Todos pela saúde’ 

Category : Saúde

Programação inclui palestras e ações de prevenção a doenças crônicas. 


O Hospital SMH – Beneficência Portuguesa de Petrópolis promove no dia 6 de abril o evento “Todos pela saúde”. Os organizadores se reuniram e fecharam a programação, que conta com palestras e serviços, como aferição de pressão arterial e teste de glicemia. A ação será aberta ao público das 8h às 16h com o apoio do Rotary Cidade Imperial e Rotary Petrópolis. 

O objetivo principal é orientar a população sobre a prevenção e o tratamento de doenças, como hipertensão, diabetes e HPV. 

“Gestos simples podem reduzir a incidência de doenças graves. Oferecer informação ao público é um deles. Por isso, o hospital e o Rotary organizaram a campanha contra doenças que afetam diretamente a qualidade de vida do paciente e têm altos índices de mortalidade”, pontua o cirurgião José Loureiro, da direção do SMH. 

Segundo a Sociedade Brasileira de Hipertensão (SBH), a chamada pressão alta acomete uma em cada quatro pessoas adultas, atingindo, em média, 25 % da população. A doença é responsável por 40% dos infartos, 80% dos derrames e 25% dos casos de insuficiência renal terminal. 

O problema pode ser evitado ou controlado quando o paciente tem consciência da sua condição e busca tratamento. 

“O acesso à informação é o primeiro passo para isso. A ação ‘Todos pela saúde’ chega para contribuir com esse importante começo para uma vida mais saudável”, afirma o cardiologista do Hospital SMH Roberto Eiras, que está entre os palestrantes. 

A campanha integra as ações preventivas realizadas pelo hospital todos os anos. A estimativa é que duas mil pessoas circulem pelo prédio do Instituto do Coração de Petrópolis, o Incope, do Hospital SMH, no bairro Valparaíso.


  • -

Novembro Azul

Category : Saúde

Inicia-se o mês de conscientização do rastreamento do câncer de próstata, que permanece como a neoplasia mais comum e a segunda maior causa de óbito oncológico no sexo masculino. 

Segundo dados do Instituto Nacional do Câncer (INCA), estão estimados 68.220 novos casos em 2018 no Brasil, constituindo o tipo de câncer mais incidente nos homens (excetuando-se o câncer de pele não melanoma) em todas as regiões do país. 

É o tumor maligno mais comum em homens acima de 50 anos e os fatores de risco incluem: idade acima de 50 anos, história familiar da doença, fatores hormonais e ambientais e dieta rica em gorduras, sedentarismo e excesso de peso.

A raça negra constitui um grupo de maior risco para desenvolver a doença.

Em geral, o câncer de próstata cresce lentamente e não causa sintomas no início, mas o tumor em estágio mais avançado pode  ocasionar dificuldade para urinar, sensação de não conseguir esvaziar completamente a bexiga, presença de sangue na urina ou no esperma e, em alguns casos, dor óssea na região das costas.

O diagnóstico é feito através do toque retal e da dosagem do PSA presente no sangue a partir dos 50 anos. Caso tenha história familiar de câncer de próstata, a recomendação é iniciar a prevenção aos 45 anos.

O diagnóstico precoce e o tratamento direcionado para cada estágio da doença aumentam consideravelmente a chance de cura do câncer de próstata.

A nossa luta é contra o preconceito! Consulte o seu urologista uma vez ao ano, só depende de você! 

Dr Leonardo Figueiredo.
Urologista
Hospital Beneficiência Portuguesa de Petrópolis
Referências: Instituto Nacional de Câncer (INCA), Hospital de Câncer de Barretos, Associação Americana de Urologia (AUA), Sociedade Brasileira de de Urologia (SBU).


  • -

Hospital SMH realiza procedimento inédito no Estado do Rio

Category : Saúde

A equipe de cirurgia vascular do Hospital SMH – Beneficência Portuguesa de Petrópolis realizou um procedimento inédito no Estado do Rio. A cirurgia minimamente invasiva foi feita neste mês de outubro em um paciente com aneurisma de aorta abdominal.

O tratamento endovascular utiliza uma endoprótese para reforçar a parede da aorta (maior e mais importante artéria do corpo humano) na região do abdômen. Segundo o cirurgião vascular Marcus Vinicius Teles Ventura, o objetivo é evitar a ruptura do aneurisma.

Equipe médica durante a cirurgia (Foto: Hospital SMH)

“Este paciente já tinha colocado uma prótese, mas ela saiu do lugar. Utilizamos, então, o que há de mais moderno para fixar novamente a prótese, fazendo com que o sangue passe apenas por dentro dela”, explica o cirurgião.

O material usado pela equipe do Hospital SMH chegou há poucos meses no Brasil e é chamado endoâncora. Marcus Vinicius revela que são pequenos parafusos que medem apenas quatro milímetros.

“O procedimento durou três horas e foram colocadas dez endoâncoras”, disse o cirurgião sobre a intervenção realizada no dia 9 no setor de hemodinâmica do SMH.

A equipe médica que participou do procedimento foi composta também pelos cirurgiões vasculares Tiago Coutas (SMH), João Alberto Fay (SMH) e Jong Hun Park (Hospital Sírio Libanês, em São Paulo).


  • -

  • -

Workshop reúne médicos de todo o estado para falar de tecnologia na medicina

Category : Saúde

Tema do encontro foi “Acesso vascular por ultrassom”

Médicos de todo o Estado do Rio participaram do workshop com o tema “Acesso vascular por ultrassom” realizado em março de 2018 pelo Hospital SMH – Beneficência Portuguesa de Petrópolis. O evento marcou também a inauguração do novo setor cardiovascular do hospital.

O cirurgião vascular da equipe do Hospital SMH e um dos coordenadores do workshop Marcus Vinicius Ventura, acredita que a iniciativa resulta na melhora do resultado do atendimento ao paciente.

“Nosso objetivo é aprimorar a técnica e, consequentemente, reduzir os riscos ao paciente. Esse tipo de procedimento, além de ser realizado pelo cirurgião vascular, muitas vezes é realizado também pelo médico intensivista, aquele que fica de plantão no CTI, pelo médico da urgência, cirurgião geral e anestesista”, explica o cirurgião vascular.

O encontro, que aconteceu no auditório do Instituto do Coração de Petrópolis, o INCOPE, trouxe um novo ânimo aos participantes, que destacaram a importância de aliar os procedimentos dentro da medicina aos avanços tecnológicos.

“O workshop reafirmou que a tecnologia é uma grande aliada. Não tem mais porque fazer certos procedimentos sem imagem”, disse o cardiologista Osmar Castro Neto.

Uma parte do workshop foi dedicada à atividades práticas e contaram com pacientes-modelo, que passaram pelo procedimento.

“O SMH trabalha priorizando a prevenção de doenças, minimizando graves ocorrências”, explica Fernando Baena, diretor executivo do Hospital SMH.

O evento marcou ainda a inauguração do novo setor cardiovascular do hospital SMH, que tem atendimento especializado diário com uma equipe de cirurgiões vasculares e cardiologistas, além de todos os exames necessários à disposição do paciente.

“A integração desses dois setores fará com que o hospital seja uma referência para qualquer pessoa com sintomas de doenças cardiovasculares. Isso também possibilita o esclarecimento rápido do diagnóstico e o direcionamento desse paciente para o seu tratamento”, esclarece o cardiologista Roberto Eiras.

“Em um só centro o paciente tem acesso a todas as formas de tratamento de ponta com todos os recursos que a medicina atual dispõe”, afirma Tiago Coutas, cirurgião vascular e membro da equipe do novo setor.


  • -

Crianças podem ter até 12 infecções no primeiro ano de vida escolar

Category : Saúde

Otite, sinusite, amigdalite são algumas das infecções mais comuns. Pediatra orienta sobre como minimizar o impacto da nova etapa.

O início da vida escolar de uma criança vem acompanhado de muitas expectativas e novidades. A adaptação é emocional e também física, já que o contato entre os pequenos facilita também a contaminação por novos patógenos (microorganismos causadores de doenças).De acordo com estudos, cada criança pode desenvolver até 12 infecções por ano, média de uma por mês. Otites, sinusites e amigdalites estão entre as mais comuns no período em que os pais começam a levar os filhos para a creche ou o colégio.

Segundo a pediatra responsável pelo pronto atendimento pediátrico do Hospital SMH Beneficência Portuguesa, Flávia Marzullo, cuidados básicos com o bem-estar e a higiene são fundamentais para amenizar o impacto dessa nova etapa na vida das crianças. Ela explica que no período em que os pequenos precisam começar a frequentar a escola, o organismo ainda não tem o sistema de defesa completamente formado.

“Na primeira infância, até os três anos, o sistema imunológico não está todo formado, por isso, as crianças são mais suscetíveis às infecções”, explica Flávia Marzullo. A dica da especialista é para que a criança tenha uma boa alimentação, durma em média de 11 a 12 horas por noite e esteja sempre com a vacinação em dia. A higiene é outro fator importante, especialmente na fase de berçário.

“Existe a troca de saliva, quando a criança pega um brinquedinho e leva à boca. Tem ainda as trocas de fraldas, o nariz que escorre… A contaminação nessa faixa etária é muito facilitada, sendo imprescindível que os cuidadores lavem sempre as mãos e zelem pelos detalhes”, orienta a médica pediatra, acrescentando que os pequeninos que mamam no peito estão em vantagem, por receberem os anticorpos do leite materno.

A jornalista Andréa Barros lembra da época em que a filha, Maria, entrou na escola.

“Ela tinha um ano e 8 meses. Já na segunda semana de aula teve quase tudo que foi ‘ite’: sinusite, rinite, gastroenterite… Foi um período muito difícil e que se prolongou por um ano e meio”, relata a mãe, que muitas vezes precisou deixar a filha em casa para evitar a contaminação das outras crianças. Essa é mais uma recomendação da pediatra:

“Sabemos da correria do dia a dia, mas este esforço da família é essencial. Hoje você está protegendo, amanhã você vai ser protegido”, ensina Flávia Marzullo.


  • -

Enchentes deixam crianças mais expostas ao risco de doenças infecciosas

Category : Saúde


Busque no site