Dores crônicas

  • -

Dores crônicas

SMH2Dores crônicas na coluna aumentam os índices de afastamento do trabalho
O balanço do Ministério da Previdência Social mostra que uma grande parcela da população está incapacitada de trabalhar por conta de problemas na coluna. Somente nos seis primeiros meses de 2013 foram 88.295 afastamentos ocasionados por dorsopatias (doenças que afetam as costas). Na Clínica da Dor do Hospital SMH – Beneficência Portuguesa, o paciente conta a técnica de radiofrequência que age diretamente no local afetado, neutralizando a dor por aproximadamente dois anos.

O método é recomendado em casos de dor crônica na coluna, especialmente em situações onde o paciente está impossibilitado de passar pelo tratamento cirúrgico. Dentre os problemas mais frequentes e que podem ser tratados com a metodologia estão a hérnias de disco e espondilopatias (patologias das vértebras), como a espondilite anquilosante, uma doença inflamatória crônica que não tem cura.

O procedimento com radiofrequência é rápido, feito com anestesia local e o efeito dura aproximadamente dois anos. Segundo o neurocirurgião da Clínica da Dor no Hospital SMH Jorge Cilento, “a ideia é eliminar a dor temporariamente, porém, de uma forma mais eficiente do que os medicamentos comuns, devolvendo a qualidade de vida à pessoa”.

A técnica minimamente invasiva utiliza a radiofrequência que, através da introdução de um cateter, age na raiz sensitiva afetada ou no disco vertebral. O médico ressalta que o paciente não está curado, já que o foco do problema não foi tratado. “Há casos, por exemplo, onde o tratamento definitivo é a retirada do disco vertebral. Se o paciente não pode realizar a cirurgia, a radiofrequência é recomendada para aliviar o sofrimento”, explica Cilento, acrescentando que o tratamento vai diminuir o volume (inchaço) da região, reduzindo também os riscos de infecções e sangramentos, além da necessidade de medicamentos.

A intervenção é feita no centro cirúrgico com o auxílio de um aparelho de raio X ou tomógrafo. A pessoa é sedada e recebe alta no mesmo dia. Nas intervenções feitas através da região sacral (base da coluna vertebral), o neurocirurgião aplica uma técnica ainda mais moderna que permite a utilização de apenas uma agulha para atingir até três níveis sensitivos simultaneamente. “A dor incapacita a pessoa de levar uma vida normal e, muitas vezes, a obriga a abrir mão da profissão e do convívio social. Este é um método recente que traz uma série de benefícios e representa a possibilidade de uma vida normal àqueles que sofrem de doenças crônicas na coluna”, finalizou o neurocirurgião.


Busque no site